Jornalismo Ambiental: existe?

Acontece esta semana, de 18 a 21 de março, em Cuiabá, o 3º Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental. O objetivo do congresso é criar um debate entre imprensa, governo e sociedade sobre desenvolvimento e meio ambiente, ou, resumidamente: vamos falar sobre sustentabilidade. A pauta do momento.

E mesmo sendo a pauta do momento, não é uma pauta muito bem discutida.

Se você, assim como eu, lê o jornal diariamente, sabe que a pauta ambiental é rara na cobertura midiática. Nossa imprensa não está acostumada a cobrar do governo soluções para o problema ambiental. Essa semana uma entrevista com o ex-vice-presidente estadunidense, Al Gore, falava justamente sobre a facilidade de se resolver algumas das crises ambientais, basta que a sociedade cobre atitudes de seus representantes. A imprensa é um meio que a sociedade tem de cobrar essas atitudes, porém isso não é visto com frequência.

Outro objetivo do congresso é incentivar estudantes, principalmente de jornalismo, a direcionar sua produção acadêmica à área ambiental. A maioria dos estudantes de jornalismo, quando pensam em seus TCC's, por exemplo, preferem sempre seguir a linha padrão Globo [para quem opta pelo telejornal], Veja [para quem opta por revista] ou Folha/Estadão [para quem opta por jornal impresso]. O ritmo alucinado de desenvolvimento humano permite um vasto material para que seja abordado também o tema do meio ambiente nos trabalhos acadêmicos.

Faço um breve mea culpa: ao menos no meu curso, dificilmente discutimos jornalismo ambiental. É uma área mais específica do jornalismo, talvez, mas que não impede que seja um tema abordado em sala. Ou que seja ao menos mencionado aos estudantes. O 3º CBJA não foi sequer divulgado em nossa universidade, menos ainda nos meios de comunicação em geral. Com exceção do próprio portal do CBJA, alguns poucos blogs e poucos portais de comunicação, não tem como saber da existência desse Congresso.

[aproveito para pedir desculpas aos meus três leitores pelo atraso em informar a respeito do Congresso]

O jornalista e professor Wilson da Costa Bueno, em artigo publicado no Observatório do Direito à Comunicação, fala sobre o papel do jornalismo ambiental, que deve ter como principal característica seu papel denunciador. O jornalismo ambiental deve ser uma arma a ser utilizada pela sociedade para defender os interesses dessa geração e das gerações futuras. Evitar que uns poucos continuem ganhando dinheiro em cima da ignorância da massa, que desconhece os problemas ambientais de seu país.

Este ano teremos eleições. Exceto a candidata Marina Silva, já conhecida por sua defesa apaixonada das questões ambientais, veremos quantos outros candidatos vão se preocupar com o mesmo tema. E veremos quanto a nossa imprensa cobrará esse posicionamento.



[antes das críticas, já me antecedo: o título do post é meramente irônico.]

2 comentários:

Gostaria muito de uma entrevista sobre Jornalismo Ambiental - acho uma área muito recente na ciência da comunicação - mas a mais promissora para emergentes e novos jornalistas. se nos der a honra - blog projetos ambientais
rstacc@hotmail.com
saudações!

17 de março de 2010 16:13  

Olha o artigo da Aninha, vai render até entrevista! hauahua

17 de março de 2010 21:57  

BlogBlogs.Com.Br