Eu sou uma jornalista sem diploma. Uma quase jornalista. Estou na metade do caminho.

Estar na metade do caminho é algo assustador, porque você já percorreu o suficiente para se orgulhar de tudo o que fez, mas não percorreu o suficiente para deixar de pensar em desistir. E tudo, tudo nesse caminho de pedras do jornalismo faz com que eu pense duas, doze, vinte vezes: estou fazendo realmente o certo? Estou no caminho que deveria estar? Posso fazer mais? Consigo fazer mais? Tenho que fazer mais?

A metade do caminho é onde geralmente, nos filmes e nos romances, nos teatros e na vida, você encontra uma bifurcação. Alguns caminhos diferentes a seguir. Geralmente, nessa parte do caminho, onde você encontra opções, você para, senta e descansa da caminhada. Reflete sobre tudo o que viveu, e tudo o que pode viver se optar pelo caminho A, B ou C. Ou outros que tenham na sua bifurcação, encruzilhada, como queiram. A metade do caminho é assustadora.

Mostra que você já percorreu muito, mas ainda falta bastante para o final. Final que, se você pensa, não é bem um final, mas apenas o começo de um outro caminho. Caminho que talvez seja mais fácil, talvez seja mais difícil, mas que você só vai saber quando chegar no final deste caminho.

E neste caminho você ainda está na metade. Eu estou na metade. Estamos na metade, e, pra falar a verdade, não me sinto pronta para percorrer a outra metade.

Muita coisa tem acontecido nesses dois anos de faculdade de jornalismo. Em muitos momentos, eu pensei em desistir. Não é pra mim, noites viradas sem conseguir escrever uma mísera matéria, não saber por onde começar a cobrir sua pauta, odiar consideravelmente o PageMaker [e agradecer a todos os deuses que excluíram essa maldição do mundo do jornalismo], estar na frente de um entrevistado e só pensar "e agora?". Percorrer mundos e fundos e não conseguir nada para uma matéria que já deveria ter sido entregue. Ver que o caminho parece mais fácil para todos, menos para você. Isso definitivamente não é pra mim.

Mas aí acontecem coisas... de repente, uma matéria que parecia impossível acontece, de repente você conhece pessoas que, fora do curso, você não teria a oportunidade de conhecer, de repente você escreve a matéria que faz até seu cachorro sentir orgulho de você. Então surgem os facilitadores do caminho, surgem os contatos, surgem as oportunidades de mostrar seus [poucos] talentos. Surge uma vontade de fazer e ser melhor. E então você resolve continuar.

Eu resolvi continuar.

Com ou sem diploma, quem faz jornalismo, e gosta do que faz, gosta das noites mal dormidas, gosta do estresse emocional, gosta do desespero de não saber se cumprirá com o deadline, gosta de correr atrás da notícia e fazê-la chegar a público... com ou sem diploma, o jornalista de verdade não desiste.

Estou saindo da metade do caminho. Vocês me acompanham?

1 comentários:

http://superdoser.blogspot.com/2009/11/posso-contar-com-voce.html TIve que responder com um post.

:*

10 de novembro de 2009 18:25  

BlogBlogs.Com.Br